domingo, 11 de fevereiro de 2007

Sucessões na Bahia: O Pleito em Salvador

Fontes das imagens: Site do jornal "Bahia Negócios", Site do "Informe Sergipe", Site da revista "Veja", sites pessoais dos deputados federais Aleluia, ACM Neto, Walter Pinheiro, Lídice da Mata.
Em cima: O atual prefeito João Henrique, os deputados federais Walter Pinheiro, Nelson Pelegrino e o ex-prefeito Antônio Imbassahy.
Embaixo: O deputado estadual Arthur Maia, a deputada federal e ex-prefeita Lídice da Mata e os deputados federais José Carlos Aleluia e ACM Neto.


O quadro sucessório de Salvador talvez seja o mais complicado para se vislumbrar tamanha é a imprevisibilidade da disputa pelo Palácio Thomé de Souza. O atual prefeito da cidade João Henrique, PDT-BA, se a reeleição não for extinta no Congresso Nacional, já que esta é uma discussão sempre em pauta, pode vir a ser candidato a mais quatro anos gerindo a cidade de Salvador. João Henrique tem uma grande aprovação popular, mas acumula uma sucessão de escândalos durante a sua administração, e além disso, segundo o vereador Adriano Meirelles, PDT-BA, os secretários governam atendendo interesses partidários, relegando o bom funcionamento da máquina pública de Salvador a um segundo plano. Esta disposição dos partidos pode indicar que o amplo arco de alianças, sustentador do governo de João Henrique e que vai do PT ao PSDB, pode estar prestes a ruir.

Segundo um assessor parlamentar é difícil imaginar que grandes partidos como PSDB, PT e até o PMDB deixem de apresentar candidatos à sucessão soteropolitana. No PT, dois nomes despontam como os mais favoritos. São eles os deputados federais Walter Pinheiro e Nelson Pelegrino. Pinheiro leva vantagem em relação a Pelegrino por ter sido o deputado federal mais votado do seu partido em todo o país. Ele recebeu 200 mil votos. Pelegrino, por outro lado, já tentou ser prefeito de Salvador nos dois últimos anos e tem como ponto favorável o fato de ser um candidato mais conhecido na cidade do que seu colega de partido. Isto, na verdade, pode ser, também, uma desvantagem, já que ele perdeu as duas eleições que concorreu.
O PSDB que, hoje, ocupa a vaga da vice-prefeitura da cidade, não esconde a construção da candidatura do ex-prefeito de Salvador Antônio Imbassahy. Ele tem dado opiniões críticas em relação à atual gestão da cidade e pode ser um candidato forte nas próximas eleições. Imbassahy saiu da prefeitura com altos índices de aprovação.
O PMDB tenta construir-se como alternativa real de poder na cidade. Para isto tem duas possibilidades, continuar as tentativas de filiação do atual prefeito da cidade João Henrique ou lançar a candidatura de Arthur Maia, deputado estadual, que já tentou ser prefeito quando era do PSDB.
Mais um nome nesta difícil equação é o da ex-prefeita de Salvador, Lídice da Mata. Lídice foi a deputada federal mais votada na cidade, resultado que a credencia a tentar assumir o comando local mais uma vez. Ela não quer dispensar a tentativa de administrar Salvador com governos federal e estadual nas mãos de aliados políticos e não de adversários, como aconteceu na vez que estava a frente da prefeitura.
Ainda faltam os nomes do PFL, futuramente, PD. Os nomes mais prováveis são dos deputados federais José Carlos Aleluia e ACM Neto. O primeiro tem a vantagem de ser mais experiente na política, o segundo possui como fato positivo ter sido o deputado federal mais votado no estado da Bahia. Aleluia pode vir a prevalecer como opção se o PFL quiser preservar o nome de ACM Neto para uma disputa no governo estadual de 2010. Por outro lado, ACM neto pode ser o escolhido se o seu partido entender que ele pode esperar até 2014 para ser candidato a governador e, que deve sim, disputar a eleição municipal da capital para, se ganhar, acumular experiência política necessária para a disputa estadual.

Um comentário:

Breno disse...

Ita, porra! Essa novela aí vai ser pior que Kubanakan!